Sindicatos cobram da Aelbra pagamento de salários e verbas rescisórias

Na tarde de segunda-feira (27) diretores do Sintep Vales, e dos demais sindicatos, voltaram até a Ulbra para cobrar uma posição sobre os pagamentos de salários e do acordo com os trabalhadores desligados. Após reunião que durou mais de três horas, os gestores da instituição se comprometeram em realizar o pagamento da terceira parcela do acordo, e integralmente o salário de abril, com o dinheiro que entrará do FIES, programado para 7 de junho.

RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Na última semana o Sintep Vales reuniu-se com os trabalhadores desligados da Ulbra, na segunda-feira (20), e com os trabalhadores ativos da instituição, na quinta-feira (23). Nos dois encontros o assessor jurídico do sindicato, Estevão Stertz, falou sobre o atual cenário, e respondeu dúvidas da categoria.

– O que o Sintep Vales está fazendo para que os trabalhadores recebam seu salário?

“O sindicato atua em duas frentes: pagamento das verbas rescisórias, e pagamento dos trabalhadores ativos. A instituição se comprometeu que faria o depósito em dia para os trabalhadores desligados, e isto já não está acontecendo. No caso dos trabalhadores ativos da Ulbra, já existe uma ação cautelar desde 2013, realizada pelo Sintep Vales e demais sindicatos, para que os valores que entrem no caixa sejam destinados prioritariamente para os salários e verbas rescisórias. Não há como entrar com um novo processo, sendo que este está em vigor. O problema é que a paciência de outros juízes chegou a um determinado limite. A partir de 2018 muitos juízes não respeitaram mais essa decisão, fazendo com que ocorressem penhoras sobre essa penhora já existente, o que aumentou o atraso nos pagamentos dos trabalhadores. Este pedido de recuperação judicial complicou ainda mais a situação. Hoje, para melhorar a situação, a Ulbra está no aguardo do desbloqueio de valores do FIES, que permitirá que os salários sejam colocados em dia, mas não há como dizer que na data X o salário estará na conta, infelizmente”.

 

Saiba mais:

EM REUNIÃO NA ULBRA, SINTEP VALES ESCLARECE DÚVIDAS DE TRABALHADORES

JUSTIÇA NEGA PEDIDO DE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DA ULBRA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *