Justiça nega pedido de recuperação judicial da Ulbra

Nesta terça-feira (21) o juiz Marcelo Tonet, da 4ª Vara Cível da Comarca de Canoas, indeferiu o pedido de recuperação judicial da Universidade Luterana do Brasil. Conforme o magistrado, não foram cumpridos os pressupostos processuais, fazendo assim com que o processo seja extinto. A Aelbra já informou que recorrerá da decisão.
Também nesta terça-feira, o juiz da 3ª Vara do Trabalho de Canoas, Luiz Fernando Henze, indeferiu o pedido de homologação do acordo extrajudicial de parcelamento das verbas rescisórias, aprovado pelos trabalhadores durante assembleia realizada pelo Sintep Vales em janeiro. De acordo com o assessor jurídico do sindicato, Estevão Stertz, “a ausência de homologação judicial desse parcelamento não impede a exigência de cumprimento por parte dos sindicatos requerentes e dos trabalhadores que aderiram ao acordo, inclusive pela via judicial.” Ainda conforme o advogado, essa decisão não altera os valores, prazos e demais condições estabelecidas no acordo entabulado entre as partes.

Pagamentos de salários
Em reunião na terça-feira, diretores do Sintep Vales cobraram uma posição em relação aos pagamentos. Conforme os gestores da universidade, não há como pagar os salários integralmente, mas depósitos serão feitos até a próxima sexta-feira conforme a disponibilidade de valores em caixa.

Reunião com desligados
Na segunda-feira à noite o Sintep Vales realizou uma reunião com os trabalhadores desligados da Ulbra. Ainda sem ter o resultado do pedido de recuperação judicial, o assessor jurídico do sindicato, Estevão Stertz, explicou os principais pontos do processo, e o que poderia acontecer no caso de aceitação, ou não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *